Arquivo da categoria: banho de assento

Naif terror brasileiro

Está série é inspirada em contos de terror, assombrações e lendas urbanas brasileiras:

por Jackie romio

Deixe um comentário

Arquivado em banho de assento

Call for Papers

If you want to organize a session, please see ‘Guidelines for submissions’ Call for Papers  Portuguese  |  French   |   Italian   |   Catalan  |   Spanish  Following the previous…

Fonte: Call for Papers

2 Comentários

Arquivado em banho de assento

Vento no Canavial

Não se vê no canavial
nenhuma planta com nome,
nenhuma planta maria,
planta com nome de homem.

É anônimo o canavial,
sem feições, como a campina;
é como um mar sem navios,
papel em branco de escrita.

É como um grande lençol
sem dobras e sem bainha;
penugem de moça ao sol,
roupa lavada estendida.

Contudo há no canavial
oculta fisionomia:
como em pulso de relógio
há possível melodia,

ou como de um avião
a paisagem se organiza,
ou há finos desenhos nas
pedras da praça vazia.

Se venta no canavial
estendido sob o sol
seu tecido inanimado
faz-se sensível lençol,

se muda em bandeira viva,
de cor verde sobre verde,
com estrelas verdes que
no verde nascem, se perdem.

Não lembra o canavial
então, as praças vazias:
não tem, como têm as pedras,
disciplina de milícias.

É solta sua simetria:
como a das ondas na areia
ou as ondas da multidão
lutando na praça cheia.

Então, é da praça cheia
que o canavial é a imagem:
vêem-se as mesmas correntes
que se fazem e desfazem,

voragens que se desatam,
redemoinhos iguais,
estrelas iguais àquelas
que o povo na praça faz.

Publicado no livro Duas águas: poemas reunidos (1956). Poema integrante da série Paisagens com Figuras.

In: MELO NETO, João Cabral de. Obra completa: volume único. Org. Marly de Oliveira. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994. p.150-151. (Biblioteca luso-brasileira. Série brasileira)

Feliz 2017!

Deixe um comentário

Arquivado em banho de assento, poesia, Poesia brasileira

3ª Guerra mundial

Para muitas pessoas pode parecer normal,

este sentimento de terceira guerra mundial.

 

Deixe um comentário

Arquivado em banho de assento