Arquivo da categoria: consciência negra

Marcha de las motas, põe em check racismo no Uruguai

El círculo se estrecha

imagen

Fotografía: Nairí Aharonian

19.12.2012 08:48

Hoy se realiza la “Marcha de las motas”, la movilización que se organizó en repudio a la agresión a Tania Ramírez. El taxista que transportó a las agresoras de Ramírez prestó testimonio, gracias a lo cual, según versiones de prensa, la Policía pudo visitar los domicilios de tres de las agresoras. Las mismas habrían viajado al interior.

Hoy se realiza la “Marcha de las motas”, la movilización que se organizó para repudiar la agresión a Tania Ramírez, funcionaria del Ministerio de Desarrollo Social (Mides) y activista por los derechos de la población afrodescendiente. La actividad cuenta con el apoyo de diferentes instituciones sociales, organismos del Estados y todos los partidos políticos.

La marcha parte a las 18 horas desde el Obelisco y recorrerá 18 de Julio hasta la Universidad de la República. En caso de lluvia, la actividad se suspende para el día jueves.

A nivel judicial, el taxista que transportó a las mujeres que agredieron a Ramírez a la salida del boliche Azabache, prestó testimonio ante la Policía. El trabajador se presentó voluntariamente ante las autoridades y quedó en libertad.

En cuanto a la investigación policial, el subjefe de Relaciones Públicas, Álvaro De Lorenzo, dijo a Montevideo Portal que dos de las agresoras ya fueron identificadas. Según una versión que maneja hoy Unoticias, la policía visitó los domicilios de tres de las cinco mujeres buscadas por la golpiza. Se trata de una mujer de 25, su madre de 45 y otra de 26, que viven en Malvin, Gruta de Lourdes y Piedras Blancas, pero que decidieron irse al interior para evitar pasar las fiestas en prisión.

El jefe de Relaciones Públicas de la Policía, José Luis Rondán, dijo a Montevideo Portal que si bien no hay información oficial al respecto, la localización de los domicilios podría haberse logrado a través del testimonio del taxista que transportó a las agresoras.

País racista

El martes, Elizabeth Suárez, integrante de Mizangas, dijo a Montevideo Portal que “de alguna manera esta situación que se evidencia a nivel de los medios, es porque Tania era conocida públicamente. Entendemos que no es un caso aislado. Es un caso de los tantos de discriminación que existen a nivel nacional. Es aberrante y una vergüenza. Estamos satisfechos por la respuesta obtenida, y entendemos que la sociedad está asqueada con estas situaciones que transitan con total impunidad”.

La integrante de Mizangas, considera que “Uruguay es sin lugar a duda un país racista”.

Movilización de Mizangas

Este lunes se pronunció el gobierno a través de un comunicado del Ministerio de Desarrollo Social (Mides) en el que convocó “a toda la ciudadanía a participar de la movilización de Mizangas”.

El Mides expresó “su más absoluto rechazo” a la “brutal acción de motivación racista”, por lo que decidió instar a la población a asistir a la movilización “por justicia y contra el racismo”.

También se pronunciaron las organizaciones Mundo Afro y la Casa de la Cultura Afrouruguaya. Ambas manifestaron su repudio a la agresión a Ramírez y su compromiso por el esclarecimiento de los hechos, a la vez que llamaron a participar de la manifestación del miércoles próximo.

Por su parte, el Comité Central Israelita del Uruguay condenó este lunes “el brutal atentado racista contra la joven Tania Ramírez”.

También la B’nai B’rith se sumó a la indignación por el ataque a Ramírez y pidió que se le aplique a los responsables “todo el peso de las normas”. Esta organización judía será otra de las participantes de la concentración.

En tanto, el Partido Nacional y el Partido Colorado resolvieron apoyar las convocatorias. Los blancos lo resolvieron esta mañana en la sesión de su directorio, según informó la dirigente Beatriz Argimón. Por su parte, el Comité Ejecutivo Nacional del Partido Colorado emitió una declaración en que manifestó su rechazo a “las situaciones de violencia que conmocionan a la sociedad uruguaya” y sumó su adhesión a la convocatoria.

Desde el Partido Independiente, su presidente, Pablo Mieres, planteó a todos los partidos su iniciativa a unirse a una manifestación, lo que recibió una respuesta positiva de blancos, colorados y frenteamplistas.

Montevideo Portal

Retirado de: http://www.montevideo.com.uy/notnoticias_187540_1.html

Deixe um comentário

Arquivado em amo meu cabelo crespo, consciência negra, direito humanos das mulheres, feminismo negro, libertárias, movimentos negros, racismo e violência, red afro de mujeres, Violência e preconceito

Repudio frente a un nuevo acto de racismo en uruguay

Repudio frente a un nuevo acto de racismo

Mizangas (movimiento de mujeres afrodescendientes) trabajamos desde el año 2006 para combatir y erradicar de nuestras vidas cotidianas todo tipo de violencia hacia las mujeres, erradicar el racismo no solo es trabajo de las organizaciones sociales, sino que es un compromiso y trabajo de toda la sociedad.

En la madrugada del viernes 14 de diciembre en la

 puerta de Azabache nuestra compañera y hermana Tania Ramírez, sufrió un violento ataque racista que no solo atentó contra su integridad física (golpes de puños, patadas, escupitajos) sino también moral, (negra de mierda, negra motuda, sucia , eso no es pelo, hacete la planchita, etc.) por el solo hecho de ser una mujer visiblemente afrodescendiente, la impunidad, la violencia y el racismo nuevamente nos vulnera en nuestros derechos como ciudadanas y ciudadanos de este país.

Nuestro grupo repudia este hecho desde la mayor indignación y sufre lo que sufrieron otras personas afrodescendientes por el solo hecho de ser orgullos@s, de su afrodescendencia.
Estamos pagando un precio demasiado alto simplemente por ser no tan iguales a la mayoría, y a cambio nos discriminan y nos marginan, reprimiendo nuestras expresiones , queriendo que evitemos ser lo que somos, ocultando nuestra propia estética, maneras de vivir nuestro cuerpo y reclamar nuestros derechos.

¿Hasta cuando seguiremos pagando el precio de ser como somos?

¿Cuándo tendremos una sociedad verdaderamente igualitaria y limpia de esta lacra que es el racismo?

Reiteramos nuestro llamado a todas las autoridades competentes reclamamos que se asegure la integridad de todas las personas en igualdad de condiciones.

No queremos discursos bonitos y palabras vacías, queremos acciones claras y concretas que condenen estos actos de violencia racial con el mayor involucramiento de las autoridades al más alto nivel en lo departamental y nacional.

Tania, para quien no la conoce es una joven estudiante avanzada en relaciones internacionales, por años vedette de Sinfonía de Ansina, militante de la Red NAMUA, hay quienes la conoce como Tania Queen (DJ), trabajadora antes MEC y ahora Mides, ella junto a otras desde Mizangas hemos trabajado para profundizar en la autoprotección y desarrollo personal fortaleciendo a las mujeres afro desde una mirada integral, donde se transversaliza la salud, los derechos ciudadanos, los derechos políticos y culturales.

Convocamos a una movilización el próximo miércoles 19 de diciembre a las 18 hs. en el Obelisco, con el fin de visibilizar, denunciar y terminar las situaciones de racismo vivida por las personas afrodescendientes en este país

Exigimos:

• Que se haga justicia con esta y todas las situaciones de discriminación racial denunciadas y/o presentadas ante la comisión honoraria de lucha contra el racismo con inmediata aplicación del artículo 148 del Código Penal que establece la pena de 3 a 24 meses de prisión.
• El procesamiento con prisión para las agresoras responsables.

“Consideramos al cuerpo y al movimiento como vías de comunicación esenciales, pues a través de ellos se expresan nuestros sentimientos y pensamientos. Nada sucede fuera de nuestro cuerpo y sobre todo cuando en nuestra piel existe un pasado con una connotación histórica. La identidad es primordial para relacionarse con el medio de una manera natural, sin sentir trabas por quienes somos o como somos. Aceptarnos nos permite transitar libres sin prejuicios de nosotros mismos” .-
Tania Ramírez

¿Hasta cuando nuestros cuerpos en resistencia?

Deixe um comentário

Arquivado em America Latina, consciência negra, direito humanos das mulheres, fim da violência contra a mulher, fim do preconceito, MOVIMENTOS DE MULHERES, Mulher e politica, racismo e violência, red afro de mujeres

‘Educação não pode ser usada para esvaziar prisão’

G1
01/07/2011 07h00 – Atualizado em 01/07/2011 11h44

‘Educação não pode ser usada para esvaziar prisão’, diz professor da USP

Especialista defende remição de detentos a partir de conclusão de ciclos.
Alteração na lei prevê um dia a menos de pena para cada 12h de estudos.

Vanessa Fajardo Do G1, em São Paulo
Professor Roberto Silva (Foto: Arquivo pessoal)Professor Roberto da Silva, que é ex-detento e hoje
dá aulas na USP (Foto: Arquivo pessoal)
Roberto da Silva, de 52 anos, professor, mestre e doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP), não concorda que a remição de pena para detentos seja concedida a partir do número de horas que eles frequentam a escola. Ex-detento e estudioso da área de educação no sistema prisional, Silva teme que desta forma haja uma distorção dos objetivos de estudar, assim como ele acredita que tenha ocorrido com o trabalho dentro das prisões.
Uma alteração na Lei de Execução Penal publicada nesta quinta-feira (30) no Diário Oficial da União aponta que cada um dia de condenação poderá ser trocado por 12 horas de frequência escolar. Assinada pela presidente Dilma Rousseff e pelos ministros da Justiça e da Educação, a medida vale tanto para condenados em regime fechado ou semiaberto.
Para o professor Silva, se o governo quer introduzir a educação como política pública, é preciso conciliar os objetivos. “Rejeitamos tentar atribuir à educação um papel que é de outras instâncias da sociedade. A educação não pode assumir a tarefa de diminuir a lotação do presídio ou diminuir reincidência criminal, ou ainda, a violência e fugas dentro das prisões”, afirma.
Silva diz que o papel da educação é aumentar a capacidade e as habilidades dos cidadãos para que tenham melhores condições para concorrer às oportunidades que a sociedade cria. “Se o detento quiser continuar na carreira do crime, não é a educação que vai convencê-lo a cair fora.”
Conclusão de ciclos
O especialista acredita que a educação possa ser utilizada no processo de abatimento da pena de maneira diferente da prevista em lei. Silva propõe que haja a remição a partir do cumprimento de objetivos e metas usando como referências as diretrizes curriculares das várias modalidades de ensino.
Por exemplo, Silva defende que o detento tenha um terço da pena reduzido quando conclui o ensino fundamental, ou médio, ou superior e cumpra a carga horária de aula destinada a determinado ciclo de ensino. Para concluir o primeiro ciclo do ensino fundamental (1ª a 4ª série), por exemplo, o tempo estimado é de 500 dias (ou carga horária de 2.000 horas/aula).
O professor diz que as necessidades educacionais de homens e mulheres presas não se resumem à elevação da escolaridade ou à redução da defasagem na relação idade-série.
“Os alunos de modo geral não são premiados por horas de estudo ou tarefas feitas, e sim, pela conclusão dos ciclos. A educação não pode ser vulgarizada na prisão como foi o trabalho”, diz. Silva acredita que a remição por tempo de trabalho – a cada três dias trabalhados é abatido um dia de pena – não ajudou a criar uma cultura pelo trabalho dentro da prisão. “Também não ajudou a criar postos qualificados. Serviu basicamente para explorar a mão de obra do preso que se beneficia da remição da pena, mas não se forma profissionalmente.”
Vilões da educação
O professor não acredita que a nova proposta de remição vá atrair os detentos para a escola. Para ele, ainda é preciso vencer alguns “vilões” da educação no sistema prisional. Segundo ele, há uma concorrência desleal entre trabalho e educação na prisão, já que ambos ajudam a diminuir a pena, mas o primeiro é remunerado e o segundo não.
Corpo docente desqualificado e material inadequado também contribuem para a baixa procura dos detentos pelas salas de aula, de acordo com o professor. “Quase nenhum professor que atua na prisão tem formação específica. Normalmente são substitutos ou temporários que não conseguiram aulas regulares, ou ainda, foram mandados para lecionar nas cadeias como ‘castigo’.”
Histórico
Quando foi preso por furto e roubo, em 1979, aos 20 anos, Silva tinha estudado até a 5ª série do ensino fundamental. “Fui preso porque vivia nas ruas e tudo que se faz nas ruas é passível de prisão”, disse. Havia parado de estudar aos 15 anos, na Febem (atual Fundação Casa), onde viveu dos dois aos 18 anos. Na época, a Febem também funcionava como abrigo para órfãos e crianças afastadas dos pais pela Justiça, como foi o caso de Silva. Já adulto, passou dez anos detido e, como na época não havia oferta de educação nos presídios, voltou à escola somente após cumprir pena.
Concluiu os ensinos fundamental e médio em curso supletivo e em seguida, aos 33 anos, ingressou no curso de pedagogia da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Após o término do curso, voltou a São Paulo onde concluiu mestrado, doutorado e livre docência em educação pela USP. Hoje Silva integra o corpo docente do curso de pedagogia da universidade.

Deixe um comentário

Arquivado em consciência negra, racismo e violência, relações raciais Brasil

Projeto em construção para produção e escrita de um livro-reportagem e ensaio fotográfico acerca das semelhanças e influências culturais entre o povo de Lilogwe-Malawi/África Oriental e o povo daqui, Salvador-Bahia/Brasil

http://vilneres.wordpress.com/

Projeto em construção para produção e escrita de um livro-reportagem e ensaio fotográfico acerca das semelhanças e influências culturais entre o povo de Lilogwe-Malawi/África Oriental e o povo daqui, Salvador-Bahia/Brasil

Escrevo para relatar o interesse e a disponibilidade que tenho de ser voluntária através de uma ONG norte americana para poder desenvolver o projeto de escrita de um livro-reportagem e produzir um ensaio fotográfico acerca da relação cultural da povo de Lilogwe-Malawi/África Oriental com o povo do Brasil, especificamente a cidade de Salvador-Bahia/Brasil.

Essa ONG – Instituto de Cooperação Internacional de Desenvolvimento (IICD-Michigan) – fica sediada na cidade de Dowagiac e recruta voluntários (em sua maioria jovens que anseiam viver uma experiência fora do país de origem) do mundo inteiro interessados(as) em se tornar um instrutor(a) de desenvolvimento.

Eu viajaria em abril deste ano (2011) para Dowagiac-Estados Unidos, mas não consegui por falta de dinheiro e desta vez, resolvi mover todas as forças para poder consegui concretizar esse objetivo, no sentido de captar recurso financeiro para poder viabilizar a minha ida, além de outras despesas também referente a concretização do projeto de escrita do livro-reportagem.

Antes de chegar em Lilogwe, eu irei participar de uma formação para poder desenvolver um dos projetos que essa instituição realiza em países (africanos e latino-americanos), onde há índice de contaminação pelo vírus HIV. Mas, os projetos são desenvolvidos para tratar das consequências causadas pela Aids, ou seja, são projetos na área de educação de crianças (em orfanatos, o projeto que mais me identifico), formação de professores(as), questões da mulher e alimentação.

O meu interesse de participar de um dos projetos dessa instituição, é também de em paralelo poder concretizar outro projeto de interesse e empoderamento profissional, que é escrever um livro-reportagem e produzir um ensaio fotográfico das vivências que vou ter quando estive em Malawi. Quero escrever uma grande reportagem, ainda não tenho um foco, mas sem dúvida vai tratar da relação e influência cultural que temos em comum, pelo simples fato de sermos negras e negros. Assim acredito que conseguirei alavancar a minha carreira, enquanto jornalista, além de aprender outro idioma.

Organizei um dossiê biográfico que documenta essa minha aflição de querer concretizar esse projeto, mas sem ter a mínima condição financeira de fazê-lo. Ao menos com a ajuda de pessoas solidárias e com condições de contribuir com os custos que apenas preciso para preparar a minha ida e poder concretizar o projeto de escrever um livro-reportagem e produzir um ensaio fotográfico.

Tratando-se das questões práticas, eu acabei de cancelar a entrevista de visto, que seria na terça-feira (21/6) no Consulado do Rio de Janeiro, por não ter conseguido pagar a taxa de matrícula que viabilizaria a documentação da instituição. Eu tenho que chegar em Dowagiac em agosto deste ano, para em junho do ano que vem ir para Malawi.

Acesso o dossiê biográfico que organizei com a finalidade captar recurso: Dossiê biográfico – Vilma Neres Bispo

Em breve irei atualizar e inserir o projeto concluído do livro-reportagem. Anseio também utilizar esta ferramenta para relatar o dia a dia quando eu estiver em Dowagiac e depois em Lilogwe-Malawi, desenvolvendo o projeto da ONG e em paralelo apurando (pesquisa, entrevistas e fotografias) a respeito de elementos culturais do cotidiano da população de Lilogwe.

Forte abraço e Asè para todas nós

Deixe um comentário

Arquivado em africa brasil, consciência negra