Arquivo da tag: literatura negra

LANÇAMENTO DA 33º CADERNOS NEGROS – UMA IMENSA DECEPCAO!

Pessoas que amam a arte, isso que está sendo denunciano abaixo não pode mais acontecer!!!

Respeito e admiração aos jovens artistas negr@s . Já faz algum tempo que nem vou aos lançamentos dos Cadernos Negros por estes e outros motivos… leiam abaixo e vamos discutir…

Amigos, eu, Naruna Costa, gostaria de compartilhar com vocês meu imenso descontentamento com a organização do lançamento do 33º CADERNOS NEGROS, que ocorreu na ultima sexta-feira, dia 17, na galeria Olido.
Fui convidada, assim como os atores Lucélia Sérgio e André Persant para fazer as intervenções poéticas dos textos que seriam lançados na noite. Nós, assim como o músico Di Ganzá e as cantoras Carol Aniceto e Liah jones, aceitamos a empreitada com prontidão, assim, na camaradagem, por acreditarmos na luta e nas batalhas conquistadas há cada ano, lançando nossos irmãos, gente que como nós, deseja transformar nossa história através da produção cultural!
Infelizmente, a organização do evento, aparentemente tão bonito e bem feito (realizado, repito: na Galeria Olido, no Centro de São Paulo), foi muito infeliz no tratamento.. Houveram muitos desencontros e muitas tentativas, de nossa parte, de fazer bem feito o que tínhamos nos prontificado.
Tudo foi equivocado conosco, desde o início, quando fomos “atirados” no palco, sem platéia, sem anunciarem o início do evento. Ficamos nós, as cantoras, vendidos em cena, à uma platéia pouca (a maioria nem havia entrado), que não entendia o que estava acontecendo, já que, formalmente, o evento ainda não havia começado. Uma situação constrangedora.
Mas, decidimos recomeçar, zerar, pedir desculpas a todos e reiniciar as intervenções, ja que a maioria, inclusive os autores, não tinham assistido. Combinamos tudo. Nos preparamos. A cantoras entraram, explicaram a situação de maneira muito generosa e bonita e reiniciamos.
Mas, mais uma vez, a ignorância nos atropelou e fomos interrompidos, no meio da intervenção, pelo sorteio dos livros. Livros que lançavam textos que nós estávamos prontos à interpretar ali. Naquele instante!
O Di Ganzá, (músico de muita relevância na pesquisa da musica afro). teve que se retirar do palco, e com ele, todos nós. Frustrados, infelizes e sem mais nenhum desejo de continuar tentando.. insistindo… investindo..
Decidimos ir embora!
E o pior de tudo foi ouvir os “discursos” do “pessoal da organização”… Nos taxando de irresponsáveis, amadores, estrelas e por aí vai!!
Perplexidade total!!
Cada vez menos eu queria estar ali, contribuir, compactuar com aquilo!
Quanta decepção…
Saber de todas as nossas lutas no movimento negro e periférico, e ver reproduzidas (nos que deveriam ser nossas referências) as mesmas atitudes daqueles que nos condicionaram à tanta miséria!
Miséria!
Essa é a palavra que me ficou daquela fartura de contradições que foi o evento!
Uma pena.
Pois valiosos são os CADERNOS NEGROS..
assim como os AUTORES NEGROS, os CANTORES NEGROS, os ATORES NEGROS e TODOS OS NEGROS que estavam lá fortalecendo e celebrando as conquistas de nosso povo NEGRO!
E é só por isso que escrevo essas palavras.. na esperança que, compartilhando o sofrimento e a insatisfação, possamos TODOS evitar o desrespeito com nossos irmãos!!!
Isso não se faz com o irmão.. ou… Não somos irmãos!
Carta apoiada pelo GRUPO CLARIÔ DE TEATRO e CAPULANAS CIA DE ARTE NEGRA.

para falar com a cia Capulanas: www.ciacapulanasblogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em literatura negra, relações raciais Brasil

Capas de Livros e poesias da escritora Geni Guimarães

A escritora Geni Mariano Guimarães é autora de vários livros, com sua ternura nos comove e dá novos sentidos para continuar lutando, sorrindo e amando…

“Por que hay que endurecer pero sin perder la ternura”…

  • Livro: Terceiro Filho, 1979 (poesias)

 

  • livro Leite de Peito, 1988.

  • Estes abaixo são seus livros infanto-juvenis, todos muito maravilhosos e recheados de bons fluidos e alta estima, nossas crianças merecem ter acesso a todos eles desde pequenos.

  • Nossa ilustre escritora participou ativamente do movimento de literatura negra, nesta coletanea abaixo, organizada por nosso ilustrissimo Paulo Colina, ela publicou alguns de seus poemas, 1982. livro Axé Antologia Contemporanea da Poesia Negra Brasiliera.

Duas poesia para ficar com vontade de ler tudinho… lá vai:

“Caça” 

 

Quero um homem,
Sensível, gostoso,
Malandro e moleque.
Quero um homem,
De garras,
Coragem,
Astúcia:
Quero um negro.

 

Quero um homem,
De cama,
De colo,
De terra maciça.
Quero um homem,
De beijo vadio,
De longos caminhos,
De peito pisado:
Quero um negro.

 

Quero um homem,
Em deslimites,
Desbarreiras,
Abscreto.
Quero um homem,
Que e peça,
Me enole,
Me ganhe:
Quero um negro.

 

Quero um homem,
Que transforme rosas,
Em versos de amor,
Espinhos em soluços.
Quero um homem,
De riso na testa,
De olhos nos dedos,
Andares no peito:
Quero um negro.

 

Quero um homem,
Para o amor momento,
Para o qualquer dia,
Para o qualquer tempo.
Quero um homem,
Para ser,
PAra estar,
Para ir ou ficar,
Nos detalhes da minha negritude
                                    Em síntese,
                Quero um negro.

“MINHA MÃE”

 

Gosto da inocência dela:
Benze crianças,
Faz simpatias,
Reza sorrindo,
Chora rezando.

 

Gosto da inocência dela:
Apanha rosas,
Poda os espinhos,
Coloca nas mãos,
De meninos branquinhos.

 

Gosto da inocência dela:
Conta histórias longas,
De negros perdidos,
Nas matas cerradas,
Dos chãos do país.

 

Ama a todo o mundo,
Diz que a ida à lua,
É conto de fada.

 

Gosto da inocência dela:
Crê na independência,
E é tanta a inocência,
Que até hoje ela pensa,
Que acabou a escravidão.
… Inocência dela…

5 Comentários

Arquivado em Literatura feminina negra