Arquivo da tag: perseguição religiosa

Salve as bruxas, justiça para as mulheres!

Hoje vamos mandar um salve especial as bruxas!
Lembremos que por muito tempo mulheres que tinham comportamento considerado inadequado, por ouvir vozes, se vestir “como homens”, e especialmente por competir no mercado de trabalho e sociedade com eles foram assassinadas. Como foi o caso da joana D´arc que foi queimada após servir para as forças armadas da França, que usou de toda a sua sabedoria para vencer guerras e quando julgou desnecessário a entregaram para a a igreja católica para ser queimada como bruxa. milhares de mulheres foram assassinadas por este mesmo motiva na Europa e também a aqui no Brasil as Bruxas (feiticeiras negras) foram perseguidas e mortas.
hoje a coisa mudou, mas não muito “feiticeiras negras” e jovens que se vestem “como homens” são as maiores vitimas dos feminicídios, assassinato de mulheres pelo fato de ser mulher e talvez se vestir como homem ou querer ser engenheira, ou mesmo por não querer fazer sexo com o cara.
Vamos saudar as bruxas! e pedir justiça para as mulheres!!!!

472px-Joan_of_Arc_on_horseback

Deixe um comentário

Arquivado em fim da vilêoncia sexual, fim da violência contra a mulher, Fim dos Feminicídios

Centro Cultural Orúnmilá de Ribeirão Preto Denuncia perseguição

DENUNCIA

O Centro Cultural Orúnmilá de Ribeirão Preto, entidade de combate ao racismo, defesa e promoção da cultura negra, cujo trabalho desenvolvido há quase duas décadas é reconhecido nacionalmente, vem à público denunciar a onda de agressões, ataques sórdidos e difamações que vem sofrendo, na tentativa de descaracterização da sua luta e do seu firme posicionamento na defesa do povo negro, das liberdades democráticas e de expressão e da sua busca incessante por igualdade e justiça sociais.

Governo após governo, o Orùnmilá tem se mantido coerente, na proposição e defesa de políticas públicas para a população negra e pobre do município, na luta pelo respeito à representatividade da sociedade civil nas instâncias de controle social, como o Conselho Municipal de Cultura, o que nem sempre tem sido bem recebido pelos representantes eleitos pelo povo, que em algumas situações tem reagido de maneira extremamente desleal e até violenta.

É o que está ocorrendo neste momento. O Palácio, não somente se recusou a cumprir o acordo assinado com o Movimento Negro antes das eleições, da criação de uma secretaria para o desenvolvimento de políticas públicas concretas para esta parcela da população, como está insuflando uma verdadeira campanha contra o Centro Cultural Orúnmilá,  por que a organização não tem se calado, muito pelo contrário, vem denunciando e apoiando as manifestações e ações dos diversos segmentos da população contra os desmandos da atual administração.

Entre as ações orquestradas desde dentro do Palácio do Rio Branco, destacamos  as vozes “alugadas” plantadas na imprensa escrita, o apoio a grupos de duvidosa conduta e, até, a colocação de um soldado da PM, membro da Comissão de Ações Afirmativas criada na atual gestão, para tentar articular as comunidades religiosas de matriz africana da cidade contra o Centro Cultural Orùnmilá (VERDADEIRO PAPEL DE CAPITÃO DO MATO). Por ignorância, maldade ou interesse, o indivíduo, que se apresenta como enviado da prefeita Dárcy Vera, iniciou o processo de difamação, sem contar que as próprias lideranças dessas comunidades, que conhecem e reconhecem a seriedade e o compromisso do Orùnmilá com as suas questões, denunciariam a sua ação.

Entendemos perfeitamente as limitações políticas e a estupidez dos “maestros” por trás de tais ações, mas ressaltamos que se trata de uma orquestração de caráter racista que visa calar uma voz ativa da população negra, e demonstrar sua intolerância contra qualquer organização da população que não concordar com os abusos e desmandos que grassam no município atualmente.

Mas não será dessa forma que calarão o Orúnmilá, cuja história tem sido pautada por lutas bem mais elevadas e por ações de repercussão nacional, sem se curvar a ameaças e ao racismo, sempre recorrendo a todas as formas de luta que garantiram a sobrevivência do povo negro neste país, do escravismo aos dias atuais, dos quilombos e insurgências ao atual Movimento Negro, enfrentando guerras e inimigos muito mais qualificados.

Estamos em luta, mais uma vez.

 

ABRIL DE 2012.

 

CENTRO CULTURAL ORÙNMILA DE RIBEIRÃO PRETO


“Enquanto os leões não tiverem os seus contadores de histórias, as histórias das caçadas glorificarão os caçadores” Provérbio Yorubano

Deixe um comentário

Arquivado em intolerância religiosa, perseguição religiosa